Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Duas Bloggers, Duas Histórias, Uma Doença : A Anorexia.

Duas bloggers, irmãs na doença, juntaram-se num só blog para contarem as suas vitórias. O nosso objectivo será sempre ajudar (se possível) quem esteja a passar por esta doença... a anorexia!

A doença - Vânia

(Continuação daqui)

...e essa meia maçã começou a ser a única coisa que comia todos os dias por volta da hora de almoço. Quando o corpo me pedia mais alguma coisa, ou seja, quando eu me começava a ir abaixo, comprava uma fatia de salame- e não a comia toda. Mas isso apenas acontecia esporadicamente.

Emagreci muito. E em pouco tempo. Usava roupas largas já antes de emagrecer por isso era difícil de se perceber os quilos que já tinham sido perdidos.
Embora existisse sempre uma preocupação da minha mãe sobre as minhas refeições, eu mentia. Não tenho jeito para mentir. A sério que não! Sou daquelas pessoas que vão a meio da mentira e já se estão a rir feitas parvas. Mas nesta altura tornei-me numa mentirosa ''profissional''. Dizia que tinha comido bem na escola ou com os meus amigos de escolas diferentes (ela não sabia quem era por isso estava tranquila). Aos meus amigos dizia que tinha de comer em casa. Coisas do gênero. As mentiras iam saindo conforme os dias. Embora ache que a minha mãe começava a desconfiar pois as perguntas eram cada vez mais frequentes, penso que ela nunca esperou que chegasse ao ponto que cheguei. Até porque, há quase 15 anos, a anorexia não era tão conhecida como é agora e a maioria das pessoas nem sabiam o que isso era.
Um dia, ao entrar no duche, a minha mãe entrou na casa de banho e ficou preocupada. Segundo ela, ''dava para contar os ossos''.
Decidiu marcar consulta na médica de família. Foi aqui que fui diagnosticada, deveria ter 15 ou 16 anos, talvez. E seguiram-se tempos de consultas semanais, quinzenais e depois mensais. Entre pesagens, medições, análises, exames e vitaminas, as minhas notas baixaram e quis desistir da escola no meu 11ano mas a minha mãe não deixou. Nunca tive uma negativa, mas baixei imenso a média que tinha e isso desmoralizou-me. Desisti de dançar no rancho folclórico (adorava dançar e conhecer pessoas de todo o país) pois não tinha forças para longas viagens e para o meu fato que até era pesado. Apesar de desistir do rancho, continuei a participar em todos os torneios desportivos entre escolas mas o meu rendimento não era o mesmo. Chegava a ficar com tonturas e tinha de parar ou ser substituída. Algumas vezes fui até ao hospital com fraqueza ou até porque caia... claro, não tinha forças para aguentar as canetas!
Todos os dias a minha mãe e a minha avó me telefonavam nas refeições para garantir que comia alguma coisa. Chegaram a haver dias em que a minha avó me ligava a chorar e a implorar que comesse. E isso mexeu comigo! Também a minha prima (fomos quase sempre da mesma turma) e amigos começaram a acompanhar-me nos almoços mesmo que eu lhes tentasse dar a volta para que não o fizessem. Levavam-me aos meus sítios preferidos para garantir que comia alguma coisa. A minha mãe e avó cozinhavam sempre o que eu mais gostava!
Aos poucos fui começando a comer...
Porém, a escola acabou e, embora já comesse melhor, ganhei problemas no estômago. Tudo o que comia, vomitava. Andei assim um ano até ser correctamente medicada e o problema começar a ficar controlado. Foi uma das mazelas com que fiquei, entre muitas.
Em 2010 comecei a cozinhar e a ganhar gosto pela comida. Não sabia o que era gostar de comer ou ter fome, até aí!
E cá estou...

Vocês perguntam. Nós respondemos # 4

E voltamos mais uma vez com a nossa rubrica.

Desta vez, conforme o que dissemos anteriormente, é altura de responder á pergunta da nossa querida Kikas.

 

P: Olá queridas a minha pergunta é algo que já ouvi falar várias vezes: É verdade quando dizem que quem passa/teve uma anorexia ou anorexia nervosa, a mesma acompanha a pessoa o resto da vida? Ou seja, nunca se fica inteiramente curada/o da/s mazela/s?

 

Catarina: Não sei se todos os casos são iguais mas eu acho que a doença nunca me deixou. Sei que venci a doença mas, por vezes, sinto que ela está escondida nas sombras à espera que eu dê um paço em falso. acho que ganhei este medo durante o internamento. Conheci uma senhora que tinha estado doente em jovem e tinha-se curado. Depois aos quarenta separou-se e os problemas fizeram-na voltar para a doença. Esta história juntamente com outras vez-me perceber que a taxa de recaídas é bastante grande, o que me leva a ter receio. Nunca dei conta que estava doente o que é que me dá certezas que não posso ficar novamente sem me aperceber? A opção que tomei foi não me deixar intimidar por esta sombra que me segue e trabalhar diariamente para nunca a deixar voltar a tomar conta de mim.

 

Vânia: É uma pergunta que me deixa com algum medo pois soube de casos de recaídas já bastante tardios. Mas, não podemos pensar dessa forma.
A minha médica disse-me uma vez que a anorexia era para a vida. E acho que é. Até porque as mazelas ficaram e infelizmente são mais do que as que gostaria e que me atrapalham a vida de vez em quando... são tudo coisas que não irão voltar a ser o que eram.
Hoje em dia como de tudo (pelo menos quando o estômago deixa!) e às vezes até demais. Ganhei gosto pela comida, coisa que até há pouco tempo não conhecia. Sinceramente, não me vejo a conseguir voltar a deixar de comer como fiz. Porém, há dias em que me olho ao espelho e volto a não gostar do que vejo. Mas depois passa! Pelo menos, até agora tem passado. Sei que acontece a muitas mulheres, mesmo não tendo tido anorexia. Por isso, mais vale pensar que é só uma fase de mulher e que nada tem a ver com a doença.
Quando a minha avó faleceu, tive uma fase em que não conseguia comer. O mesmo aconteceu quando foi o meu avô e depois o meu padrinho. Mas voltei a mim, não podia fazer a minha família passar por isto outra vez. E acho que o facto de conseguirmos pensar também nos nossos e saber o que já se sofreu no passado que não nos deixa cair novamente

  

 

Obrigada, Kikas, pela pergunta. E na próxima rubrica contamos responder à nossa querida B♥.

Podem continuar a fazer as vossas perguntas pois vamos tentar dedicar um bocadinho de tempo a cada uma. :-)

E como se juntam duas bloggers que não se conhecem?

Bem, este post é uma surpresa á nossa Catarina... uma espécie de homenagem á guerreira que ela é e que admiro imenso! 

 

Vamos começar pelo princípio, certo? Pois bem, ambas já interagiamos no blog pessoal de cada uma sem sabermos da história de vida uma da outra, já tínhamos criado até alguns laços com o tempo. Um dia, uma rapariga, a Goretti, pedia nos blogs que a ajudassemos na sua tese, contando problemas alimentares. Eu, que nem sou nada desbocada, partilhei um pouco da minha história e a Catarina comentou que também tinha passado pelo mesmo. Trocamos histórias de vida e foi assim que nasceu esta irmandade.

Pouquíssimo tempo depois, fui contactada pela rtp para ir contar a minha história. Como estava a terminar o meu estágio não podia estar a pedir dias para lá ir e achei que a Catarina seria perfeita para nos representar. Contei á pessoa,  contactei a Catarina (claro!) e ela acabou por ir. Foi super prestàvel, embora estivesse nervosa. E acham que haveria alguém melhor para nos representar que uma pessoa que passou pela doença e agora é uma mãe babadona destas? Não! A Catarina era perfeita para falar por nós. (E esteve tão bem.)

E assim foi. No fim, tanto ela como eu achamos que nos soube a pouco, que abordaram pouco o assunto e que este tema merecia ser mais divulgado. Foi assim que nasceu o desejo de criar este blog. Após uns meses a falar, de pesquisas, de muito trabalho na escolha do nome e de como iríamos fazer isto, foi criado este menino. E já lá vai quase um mês e com um feedback fantástico. Obrigada a todos por isso!

 

Bem, vamos ao que interessa. Isto será sobre a Catarina. É um agradecimento da minha parte a esta pessoa fantástica. E porquê? Porque a admiro imenso , não só por causa do seu passado e do seu presente mas por ser sempre uma pessoa disponível para tudo e que tem ideias fantásticas que eu não teria. É por ela que este blog acaba por ter mais vida.

Obrigada minha linda, não poderia ter conhecido uma ''irmã na doença'' mais atenciosa e simpática. 

 

 E agora, convido-vos a ver a nossa Catarina no programa "Agora Nós" a dar a voz por nós. Obrigada Catarina ( Ela esteve tão bem, não esteve???)

 

Cá está o link:

http://media.rtp.pt/blogs/agoranos/artigos/viver-com-anorexia_8288

 

O início - Vânia

Ao contrário da Catarina, não tive propriamente um ''início'' desta doença. Desde sempre que me recordo de não gostar de comer e de deitar a comida fora -mesmo que fosse só um iogurte! Nunca tinha fome e quando era obrigada a comer inventava mil e um truques para não o fazer ou deitar a comida fora. (Acho que posso dizer que começou desde pequena e que acentuou em adolescente.)

Na minha adolescência tive um desenvolvimento tardio e era daquelas miúdas cujas ''pelosidades'' eram mais escuras e a minha mãe achava que eu era demasiado nova para começar a fazer depilação. Comecei a ser vítima de gozo por parte de alguns colegas de escola (eu sei que eram brincadeiras mas estava demasiado sensível para ver isso). Era também muito magra e não tinha ainda peito, ao contrário das minhas amigas que já eram todas desenvolvidas. Confesso que comecei a odiar o meu corpo, a ter nojo de mim mesma, a achar que era um monstro - sim, seria essa a palavra certa na altura!

Ao contrário da Catarina, nunca fui das meninas populares. Fui sim das que eram gozadas por não ser como as outras, embora tivesse muitos amigos e fosse bastante sociavel. Hoje sei que eram somente aqueles comentários que dizem por brincadeiras- eram rapazes! Basicamente eram comentários em brincadeira a dizer que saia ao meu pai, que se tinham enganado e que eu não era rapariga. Sorria quando diziam isso mas depois ia chorar para a casa de banho da escola, sozinha. Nunca desabafei com nenhuma amiga pois tinha vergonha... e tinha medo de ser ainda mais gozada!

Uns anos mais tarde, o meu peito, rabo e coxas desenvolveram imenso. Isso fez-me ganhar uns quilos valentes. Comecei a odiar ainda mais o meu corpo, ganhei estrias e apanhava rapazes a olhar para o meu rabo, principalmente. Na minha cabeça, eles achavam-me horrível e iriam gozar comigo. Já tinha sido gozada antes, porque seria agora diferente?

Além disso, as minhas amigas usavam o 36 e 38 e eu lá andava nas minhas calças 40 e 42... Eu, a gorda!

Seguiu-se assim a minha ''dieta'' - comer meia maçã por dia. Somente e apenas a minha meia maçã...

Para quem não nos conhece...

Percebemos agora que começamos o blog sem nos apresentarmos devidamente. Muitos dos que nos lêem já nos conhecem mas muitos não fazem ideia de quem somos. Resolvemos por isso fazer uma pequena apresentação formal.

 

- Olá eu sou a Catarina tenho actualmente 32 anos. Trabalho como supervisora num operador logístico e tenho quatro filhos que me enchem o coração de orgulho.

A anorexia entrou na minha vida tinha eu 14 anos. Durante os dois anos seguintes limitei-me a deixar que ela manda-se em mim. O meu dia a dia limitava-se a contabilizar o que comia e o que não comia. O objectivo era comer cada vez menos até que pura e simplesmente deixei de comer. Passei por um internamento, muitas consultas e terapias. Tive pontos altos e baixos até que finalmente aos 18 anos tive alta das consultas. Hoje em dia tenho uma vida perfeitamente normal. Não foi fácil, não foi rápido mas é possível.  Mais tarde vamos contar-vos as nossas histórias para que percebam que há luz ao fundo do túnel.

 

-E olá, eu sou a Vânia. Tenho 28 anos, sou do signo peixes e estou, neste momento, desempregada. Ao contrário da Catarina, só tenho um gato. Nada de filhos, ainda. :-p

No meu caso, julgo que anorexia sempre existiu na minha vida. Desde pequena que não gostava de comer nem nunca tinha fome. Deitava comida fora, dava-a aos animais ou escondia-a. Cheguei até a leva-la na boca e deita-la na sanita para a minha mãe não ver!
Sempre fui extremamente magra até aos meus 15\16 anos. Nesta altura ganhei muito peito, rabo e pernas. (Como dizem os meus amigos, estava ''boazuda''.) Devo ter tido 76 ou 78kg's mais ou menos e, em muito pouco tempo, emagreci á volta de 20kg's. Foi nesta altura que a minha mãe pegou em mim e me levou a uma consulta onde fui diagnosticada como tendo uma anorexia nervosa. Ainda emagreci mais 10kgs durante todo o processo mas, com muita ajuda e força de vontade posso dizer que fui superior a ela (lá para os 20 anos, penso eu) e que estou cá para contar a minha história.
Com o tempo ganhei gosto pela cozinha e, hoje, adoro comer! Quem diria, han? :-)

 

E somos nós!

Para quem não nos conhece, ficaram a saber um pouco das nossas histórias e de quem somos. Ao longo dos tempos vamos desvendando mais um bocado e esperamos que possamos contribuir para que exista mais informação sobre a doença da qual ambas fomos vítimas. 

Um muito obrigada a todos, mais uma vez, pelo carinho e seriedade com que nos tratam a nós e a este nosso projecto.

Agradecemos também ao blog Delito de Opinião pela divulgação do nosso blog. Muito obrigada, Pedro! 

Toca a perguntar!

Queremos agradecer imenso a forma como receberam este blog. Obrigada. Foi muito bom sentir o vosso carinho e a vossa curiosidade sobre este tema. É sempre gratificante saber que as pessoas acreditam em nós para falar sobre isto e que nos querem ''ouvir''. 

Um obrigada também ao blog Delito de opinião pela divulgação do nosso pequeno projecto.

 

Para começar, e como queremos que façam parte deste blog, vamos pedir-vos que nos façam perguntas sobre o que tiverem curiosidade, dúvidas ou sobre o que acharem importante que falemos por aqui. Iremos depois respondendo...Queremos ajudar quem esteja a passar por esta doença mas também achamos importante poder informar e esclarecer dúvidas a quem nunca lidou com a anorexia. 

No passado fomos nós e no presente estão outras pessoas a passar por isso. Mas, no futuro, esta doença poderá estar mais próxima de qualquer um. Nós e as nossas famílias somos a prova de que não acontece só aos outros.

A informação será importante e por isso estamos interessadas nas vossas dúvidas e curiosidades!

 

Sintam-se á vontade para perguntar o que quiserem.

 

Obrigada mais uma vez! 

 

Beijinhos,

Catarina e Vânia 

E, finalmente, o Blog!

thumbnail_tumblr_inline_n8dc53m9nw1s3zd2g.jpg

 Olá e sejam muito bem-vindos ao nosso blog.

Como já dissemos nos nossos blogs pessoais, o nosso objectivo na criação deste blog conjunto,será sempre tentar ajudar (no que pudermos) quem esteja a passar por esta doença: a anorexia. Não somos médicas nem tão pouco somos profissionais desta área, sabemos apenas aquilo pelo que passámos e esperamos poder ajudar contando as nossas próprias histórias e mostrando as nossas vitórias.

Esperamos também poder falar e mostrar o lado de outras pessoas que tenham passado ou estejam a passar por uma situação igual ou semelhante às nossas (poderão contactar-nos por aqui ou por email). Queremos mudar mentalidades e preconceitos relativamente a esta doença e mostrar o lado de quem é anoréctico. 

Tendo ambas sofrido de anorexia, sabemos o importante que é sentir apoio nesta fase das nossas vidas. Pelo que, estamos aqui! Se nos quiserem contar a vossa história, se quiserem desabafar, se quiserem contar os vossos medos e anseios, e até se quiserem partilhar no nosso blog a história pela qual passam ou passaram... estamos aqui!

Espero que nos venham visitar e nos possam dar o vosso feedbak. Aceitamos sugestões e criticas, desde que NUNCA (mas mesmo nunca) usem essas mesmas criticas contra quem sofre ou sofreu desta doença. É um tema demasiado sensível, pelo que teremos sempre o cuidado necessário ao falar sobre ele e pedimos para que também o façam. Caso se verifique o contrário, faremos queixa nas entidades responsáveis. (Eu sei que não deveria de existir necessidade de escrever isto mas, infelizmente, há sempre engraçadinhos que tentam gozar com tudo e decidi que seria melhor deixar tudo claro no primeiro post.)

Nós somos a Catarina e a Vânia. A mesma doença, histórias diferentes mas o mesmo final... A vitória! 

Sintam-se bem vindos pois serão sempre bem-vindos!